Um austríaco em Hollywood…

Viena no começo do século XX disputava com Paris e Berlim o título de capital cultural da Europa ( leia-se do mundo ). Gustav Mahler era a estrela da Filamônica de Viena , Klimt ( também Gustav ) pinta “O Beijo” , Sigmund Freud tinha acabado de” inventar – sic !” a psicanálise. Sem contar Fritz Lang , Richard Strauss, Arnold Schönberg

Este era o ambiente aonde o pequeno Erich cresceu, filho de uma importante e aristocrática família austríaca Erich Wolfgang Korngold foi uma crinça prodígio que em sua época chegou a ser comparado à seu conterrâneo Mozart. Korngold aos 11 anos escreve sua primeira sinfonia e a partir daí desenvolve uma brilhante carreira escrevendo óperas, operetas, música de câmara e grandes peças orquestrais.

Agora imaginem a seguinte cena : Em 1935 Erich Korngold desembarca na Califórnia com sua pastinha de músicas em baixo do braço, em busca de emprego e procura então as grandes instituições culturais, os teatros, as casas de ópera, as universidades…ou seja, tudo que lhe era muito familiar em sua terra natal !

Depois de muito procurar e obviamente frustrar-se por não conseguir achar algo parecido com Viena em Hollywwod alguém lhe diz : Sorry Mr. Korngold…esta história de sinfonia, quarteto de cordas é muito bonita mas aqui a gente tem uma coisa chamada cinema…o senhor já escreveu música para cinema ?

Na verdade esta cena só não aconteceu por que Max Steiner, que trabalhava na Warner Bros, trouxe Korngold aos EUA… para um músico judeu em plena ascensão do regime nazista não poderia existir convite melhor ! Max Steiner, também austríaco, havia chegado aos Estados Unidos em 1914. No ano de 1933 Steiner compôs a trilha para King Kong.

Na Warner, a dupla Steiner/ Korngold foi responsável por A Carga da Brigada Ligeira ( Steiner, 1936 ), As Aventuras de Robin Hood ( Korngold, 1938 ), Vitória Amarga ( Steiner, 1939 ), O Gavião do Mar ( Korngold, 1940 ), A Estranha Passageira ( Steiner, 1942 ) e Em Cada Coração um Pecado ( Korngold, 1942 ). No entanto Steiner compôes sua melhor trilha ( Oscar em 1939 ) para “E o vento levou” do estúdios concorrente : a MGM.

Korngold trouxe para o cinema os metais vibrantes de Mahler, o “leitmotiv” Wagneriano e de quebra 400 anos de tradição da música erudita européia, introduzindo um modo de pensar a trilha sonora logo imitado por outros compositores. Atualmente podemos dizer que John Williams é o seu herdeiro musical mais importante.

Muito antes de Arnold Schwarzenegger , os austríacos já faziam sucesso na Califórnia !

Leia minha análise do filme “As aventuras de Robin Hood” de Erich W. Korngold

Ouça o tema principal do filme : preludio

2 thoughts on “Um austríaco em Hollywood…

Deixe uma resposta