A revolução digital já era!

“Qualquer analista profissional de tendências nos dirá que os mundos da tecnologia e da cultura estão colidindo. Mas o que surpreende não é a própria colisão, é o fato de ela ser considerada novidade”

JOHNSON, Steven. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar.

Quando do surgimento da fotografia na metade do século XIX dizia-se que estava decretado o fim da pintura, quando o tímido experimento dos irmãos Lumiere ganhou dimensões comerciais dizia-se que o teatro e os musicais se extinguiriam, o mesmo se falou da televisão em relação ao rádio.

De certo modo isto se manteve inalterado até a última década do séc. XX, momento a partir do qual a revolução digital e a internet começaram a varrer os últimos guerreiros analógicos das trincheiras da mídia.

Aos poucos quebramos a lógica de Mcluhan que dizia que o meio é a mensagem, quando hoje o meio , ou o suporte passa a ser indiferente já que informação digital rompe a parceria entre forma e conteúdo: o conteúdo são os bits e a forma pode ser aquela que quisermos em qualquer dispositivo que realize a decodificação dos bits…

Hoje, na segunda década do século XXI, estas questões começam a ficar para trás. A revolução digital já era!

Falar em revolução digital tinha sentido para aqueles que nasceram no mundo analógico e acompanharam a transição dos átomos para os bits. Do VHS para o DVD, do vinil para o iPod…
Que sentido tem falar em revolução digital para a geração que nasceu após 1995 e não conheceu o mundo sem WEB, MP3 e afins? Interatividade agora é palavra chave!

Os profissionais desta nova geração não têm mais necessidade de digitalizar o mundo, mas sim de interagir com ele. Este novo profissional, que começa a ser muito requisitado pelo mercado, é aquele que faz a ponte entre digital e o interativo.

É neste contexto que no sábado faço a abertura da disciplina Marketing Digital do MBA em Marketing e Vendas da UniAnhanguera em São Caetano  do Sul

Compartilho com vocês os slides iniciais do curso  (Revoluções) com vários links e sugestões de bibliografia.

Deixe uma resposta